Descoberto pelos portugueses no século XV, este bonito arquipélago do Atlântico Sul cedo se revelou um importante eixo na economia e, consequentemente, tornou-se numa confluência de povos e etnias, de culturas e de tradições. Ao longo dos séculos, a produção da cana-de-açúcar, do café e do cacau e a sua exportação, a par do comércio de escravos, trouxeram gentes da Europa e da África continental que deixaram costumes e tradições que foram sendo enraizados ao longo das gerações, dando origem à cultura são-tomense: a arte, a música, as danças, a gastronomia, a religião, o povo.

A língua oficial de São Tomé e Príncipe é o Português, mas a maioria da população fala o Forro, um crioulo são-tomense, resultado da fusão da Língua Portuguesa e de línguas e dialectos africanos.
A miscigenação e a aculturação revelam-se também na música, na dança e no teatro. Os instrumentos dos diferentes continentes foram dando origem a vários estilos musicais como a rumba, o socopé, a dexa, a puita, para citar os mais conhecidos.

Uma das manifestações artísticas considerada das mais representativas e criativas do povo são-tomense é o tchiloli. Representado em festas religiosas, o tchiloli é um teatro de rua, com origem nos antigos autos-da-Fé, onde se representa um dilema moral e cuja duração pode ser de cinco a seis horas!

Interpass - São Tomé

As paisagens, o povo, os sons e as manifestações artísticas são bons motivos para planear a visita a São Tomé e Príncipe, mas há mais para descobrir, fique atento.

Imagem © Direitos Reservados