Convenhamos: quem gosta de viajar — mesmo de viajar — não perde uma oportunidade para o fazer, ainda para mais se essa oportunidade surgir num repente tão fugaz quanto um sopro. E aproveitar foi o que fez a Maria João Marques, do blog The Beauty Routine, quando lhe dirigimos um convite para conhecer um pouco mais dos recantos parisienses. Depois da viagem, partilhada com a Andreia Calisto do GLIMMER LE BLONDE, a Maria João quis partilhar a sua aventura. Eis o primeiro episódio:

«Há umas semanas atrás, enquanto arrumava a casa depois de uma dura semana de mudanças, fazia o que qualquer pessoa normal faz nestas circunstâncias: sonhava acordada com umas merecidas férias. Eis que, momentos depois, dei por mim a ver mapas de Paris, a fazer listas de compras, roteiros e a pensar que tinha de comprar meias mais quentes. Pelo meio, aconteceu o Interpass Clube e um convite para um fim-de-semana na Cidade Luz com a Andreia (Glimmer le Blonde), fellow blogger e grande amiga.
Fast forward: Sexta-feira, 13h locais. Apesar de o voo ter aterrado com 1 hora de atraso (que só serviu para aumentar a nossa excitação infantil), as nossas bagagens chegaram sãs e salvas e, pouco tempo depois, estávamos no transfer já com a Torre Eiffel a espreitar por trás dos prédios. Ouviram-se gritinhos de alegria naquele autocarro e, confesso, éramos nós.
Depois de pousarmos as coisas no hotel, onde chegámos rapidamente, lá fomos nós aproveitar a cidade e o que de melhor ela tinha para nos oferecer, leia-se, neste caso: comida e compras. Porque já tínhamos ambas estado em Paris em diversas ocasiões, o roteiro turístico-cultural estava coberto, restando-nos aproveitar a cidade sem correrias nem grandes planos. Só havia um local turístico onde precisava mesmo de voltar neste (curto) fim-de-semana: a Torre Eiffel (viagem a Paris que se preze tem de envolver croissants e a Torre Eiffel).
Mais do que visitada, Paris é uma cidade que merece ser vivida (e nós também merecemos vivê-la!): passear sem rumo pelo Marais, parar aqui e ali sempre que algo nos prende o olhar, aproveitar as exposições, a gastronomia… e claro, ou não fosse eu uma verdadeira beauty addict: comprar cosméticos! Para isso, não podia estar em melhor cidade. Vejamos, temos o Le Bon Marché, a Colette, três ou quatro lojas Aesop espalhadas pela cidade, as Galerias Lafayette e Printemps, Sephoras gigantescas e mestres de perfumaria em cada esquina… Uma perdição.
Queria também aproveitar uma daquelas coisas em que a França dá 10 a zero a todos os outros países do mundo: as farmácias. E a melhor de todas é — sem dúvida — a Citypharma. Se estão a planear um dia de compras em Paris, não comecem aqui o vosso roteiro. Estão lá todas as marcas de dermo-cosmética nossas conhecidas e estão tão baratas que correm o risco de não resistir, como me aconteceu, e de passarem as sete horas seguintes a carregar um saco pesadíssimo para depois chegarem ao hotel com o ombro deslocado ou um braço mais musculado do que o outro.
Lá perto, não resistimos a um lanchinho no Café de Flore, emblemático pela sua história e habitués, não obstante os preços pouco saudáveis para duas cidadãs de um país falido. Mas nós não quisemos ceder perante esse constrangimento. Onde algumas pessoas mais poupadas teriam dado meia volta, nós lá continuamos… só se vive uma vez!»

To be continued…

Interpass - Paris

© Andreia Calisto

Interpass - Paris

© Maria João Marques